VOOS ONLINE
VOOS ONLINE
GUIA DO PASSAGEIRO
GUIA DO PASSAGEIRO
SITUAÇÃO DOS VOOS
SITUAÇÃO DOS VOOS

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS
OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS
CARGA AÉREA ONLINE
CARGA AÉREA ONLINE
LICITAÇÕES
LICITAÇÕES
CONCURSOS INFRAERO
CONCURSOS INFRAERO
SERVIÇO CONTRA INCÊNDIO
SERVIÇO CONTRA INCÊNDIO
LINKS
LINKS

TARIFAS AEROPORTUÁRIAS
TARIFAS AEROPORTUÁRIAS
CENTRAL DE COBRANÇAS
CENTRAL DE COBRANÇAS
PORTAL FINANCEIRO
PORTAL FINANCEIRO
Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes - Gilberto Freyre

Recife

Situado ao sul de Recife, o Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes - Gilberto Freyre opera voos domésticos e internacionais 24 horas por dia e seu nome é uma alusão ao fato histórico da Batalha dos Guararapes, ocorrida no período colonial brasileiro sobre os morros de mesmo nome, situados em sua lateral oeste.

Sua construção antecede a II Guerra Mundial, sendo que o conflito serviu para melhorar a estrutura da Base Aérea do Recife e, consequentemente, do próprio aeroporto. No final da década de 40, o Recife passou a ter grande importância no tráfego aéreo, em meio às aerovias do Atlântico Sul - Europa, pela sua posição geográfica estratégica.

O nome oficial foi dado em 02 de julho de 1948, quando o então presidente Eurico Gaspar Dutra assinou o decreto 25.170-A, transformando o Aeroporto de Recife, localizado no Campo de Ibura, em Aeroporto Guararapes.

Os aviões internacionais da época não tinham autonomia suficiente para fazer o percurso Europa, em voo direto a caminho do Rio de Janeiro e São Paulo, sendo forçados a pousar em Recife. Com o passar dos anos e o desenvolvimento da aviação comercial, os aviões transportando cada vez mais cargas e passageiros, as instalações do Ibura tornaram-se inadequadas, não suportando a crescente demanda.

No início de 1950, foi dado o pontapé inicial das obras de construção do Aeroporto Internacional dos Guararapes e os trabalhos avançaram rapidamente.

A pista 14/32, onde mais frequentemente operavam os aviões comerciais, media cerca de 1.800 metros de comprimento por 40 metros de largura. A primeira parte dos trabalhos consistia num aumento de 60 metros no final da pista e, antes do final de 1957, mais 60, totalizando em 210 metros acrescentados.

A pista 18/36 media mais de 1.800 metros e era destinada aos aviões comerciais internacionais e militares. Esperava-se a conclusão dos serviços de reforma dessa pista até o início do ano seguinte, quando deveria medir 2.400 metros por 60 metros de largura, essa era a principal pista do aeroporto.

Após a conclusão do novo aeroporto, a primeira aeronave brasileira a utilizar oficialmente o Guararapes foi um DC-3, da Real Aerovias, que conduziu o presidente Juscelino Kubitscheck para a inauguração das instalações, em 18 de janeiro de 1958. A TAP foi a primeira empresa estrangeira a reiniciar as operações. Durante anos, o movimento se compunha quase que, exclusivamente, de frequências domésticas e da linha Recife/Lisboa.

Em 07 de janeiro de 1974, o aeroporto passou a ser administrado pela Infraero. E em 1979, foi celebrado um convênio entre o Ministério da Aeronáutica e o Estado de Pernambuco, com a intervenção da Infraero, para desenvolvimento de projetos e execução de obras de reforma. A pista foi ampliada e o prédio totalmente reformulado, vindo a ser inaugurado em 1982, com a presença do presidente João Batista Figueiredo.

Depois dessa reforma, o aeroporto teve sua capacidade bastante superior à antiga, possibilitando o pouso e decolagem de aviões de grande porte, facilitando assim um maior tráfego aéreo internacional. A partir de então, Pernambuco tornou-se portão de entrada e saída para os turistas provenientes da Europa e Ásia.

Em 1990, o aeroporto sofreu novas modificações, tornando-se mais moderno e confortável. O local ganhou novos balcões de check-in; o saguão público foi climatizado; foi instalada uma sala vip e implantadas novas esteiras de recolhimento de bagagens. Os banheiros ficaram mais amplos e órgãos como a Polícia Federal e Alfândega ganharam alojamento exclusivo. O aeroporto oferecia 30 lojas comerciais, e as salas de embarque e desembarque foram priorizadas.

Além das melhorias internas, a Infraero ampliou toda a infraestrutura da área industrial, como a construção de redes de água de esgoto, central elétrica, de telefonia e uma nova estação de tratamento de águas residuais.

A nomenclatura do aeroporto foi novamente alterada em 27 de dezembro de 2001, pela Lei nº 10.361, que instituiu a denominação de Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes - Gilberto Freyre.

Um pouco antes, em 2000, haviam sido iniciadas novas obras de modernização do aeroporto, a partir de convênio firmado entre Infraero, Embratur e Governo do Estado de Pernambuco, que contemplou a construção do novo terminal de passageiros, do edifício garagem e a realização de outras obras no sítio aeroportuário, como o sistema viário interno e investimentos no Programa de Proteção ao Meio Ambiente. O valor global dos investimentos na obra foi de R$ 329,1 milhões. A Infraero ficou responsável por 53,2%, a Embratur participou com 30,4% e o Governo do Estado contribuiu com 16,4%.

O edifício-garagem (EDG) foi concluído em dezembro de 2002. São três pavimentos com capacidade quatro vezes maior que a existente anteriormente. No quarto pavimento do EDG existe um espaço para eventos e exposições.

O pátio de aeronaves também foi ampliado e o número de posições de estacionamento de aviões passou de 14 para 21. Sob o pátio, foi construída uma rede de dutos subterrâneos que conduzem combustível para abastecimento de aeronaves. Esta é uma forma mais segura de abastecimento, pois evita o trânsito de caminhões-tanque no local.

Em 2004, entrou em operação em fase experimental, e, em 21 de fevereiro de 2006, foi oficialmente inaugurado o novo terminal de passageiros, onde o número de balcões de check-in cresceu de 24 para 64.

A área destinada a compras e lazer também foi totalmente reformulada, dentro do conceito de Aeroshopping, que transforma o aeroporto num centro de bons negócios, conforto, produtos e serviços de qualidade. O terminal de passageiros é controlado por um sistema de automação que regula desde o controle dos acessos restritos ao público, à detecção de riscos de incêndio, até a otimização do consumo de energia. Hoje o terminal de passageiros se mostra capaz de atender a um fluxo de mais de 16 milhões de passageiros por ano, com todo conforto e segurança.

O aeroporto conta com um Terminal de Logística de Cargas – TECA alfandegado, com 6.125m² de área para cargas de exportação e importação. O TECA apresenta um depósito de carga restrita, com capacidade diária de até 30 toneladas, e câmara frigorífica com módulos de resfriamento e congelamento. Especificamente para carga nacional, o terminal de cargas conta com 2 anexos medindo no total 3.967 m² de área construída. O TECA está equipado com modernos sistemas de informatização, que proporcionam agilidade no desembaraço da carga e na movimentação de mercadorias dentro dos armazéns, bem como segurança no processo de armazenagem. Também é possível que o cliente monitore, via internet, o percurso da mercadoria despachada desde o terminal de embarque até o momento da retirada dos volumes no aeroporto de destino.

O Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes - Gilberto Freyre possui um sistema de gestão da qualidade, certificado de acordo com a norma NBR ISO 9001, e está em processo de certificação operacional pela ANAC.

 

 

AddThis Social Bookmark Button
 


Portal da Transparência    Acessibilidade Brasil
Infraero - [Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária] - Estrada do Aeroporto, Setor de Concessionárias, Lote 5 - Edifício Sede CEP 71608-050 - BRASÍLIA - DF - BRASIL