bt_pesquisa_maior2
Aeroporto de Altamira

altamira_2

A primeira aeronave a pousar em Altamira foi um hidroavião da extinta Panair do Brasil, que levava ao município o major Magalhães Barata, interventor do Estado do Pará. Este primeiro pouso no rio Xingu aconteceu logo após a Revolução de 1930.

Na década de 1940, durante a 2ª Guerra Mundial, houve a "Batalha da Borracha", na qual aviões americanos, principalmente Catalinas, desciam no rio Xingu trazendo suprimentos para os seringais que produziam a borracha natural para o exército aliado.

Em janeiro de 1950, foi inaugurada a primeira linha aérea comercial estabelecida pela Panair. A linha Belém-Manaus era feita em aeronaves Catalina PBY, com 16 lugares, que aterrissavam no rio Xingu, na frente da cidade.

Também no início dos anos 50, foi iniciada a construção da pista em terreno doado pela Prefeitura Municipal. A construção ficou a cargo da COMARA – Comissão dos Aeroportos da Bacia Amazônica organização militar do Comando da Aeronáutica. A pista era mantida pela Prefeitura Municipal e utilizada eventualmente por táxis aéreos e aeronaves executivas.

Com a extinção da Panair, em 1964, passaram a operar no aeroporto as empresas Cruzeiro do Sul e Paraense, com aeronaves DC-3. A pista foi prolongada e asfaltada para o início da construção da rodovia Transamazônica, o que a tornou apta a receber aeronaves do porte do Boeing 737.

Com a desativação da Paraense, a Vasp assumiu a linha que saía de São Paulo e passava pelo Centro-Oeste, Acre, Amazonas e Pará. O destino final desses voos era Belém, com escala em Altamira.

Em 7 de novembro de 1979, um dia após o aniversário da cidade, foi inaugurado o novo aeroporto distante 7 km do centro da cidade também construído pela COMARA. A parti daí o aeroporto da cidade de Altamira passava a contar com uma nova pista de pousos e decolagens asfaltada e uma moderna estação de passageiros. Em 17 de janeiro de 1980, a Infraero assumiu a administração do aeroporto.

Em 1986 a Infraero fez uma reforma parcial na pista de pouso e decolagem no trecho central (faixa de 22m). Em 2011 a Infraero recuperou e fez um reforço estrutural de toda área de movimento de aeronaves (pista de pouso e decolagem, pista de táxi e pátio de estacionamento de aeronaves). Esta reforma adaptou a pista para suportar aeronaves de grande porte com peso maximo de decolagem – PMD de 70,3 toneladas como o BOEING 737-700, que tem capacidade de transportar 144 passageiros.

 

 

 

 

 

 

 

 

 
AddThis Social Bookmark Button