bt_pesquisa_maior2
Aeroporto Internacional de Macapá - Alberto Alcolumbre

macapa_frente

Dados Históricos:

O Aeroporto Internacional Alberto Alcolumbre (AP), em Macapá, faz parte da Rede de Aeroportos da Infraero desde 12 de março de 1979. A história do aeroporto começou a ser escrita na década de 1930, durante a Segunda Guerra Mundial, quando o governo dos Estados Unidos, com vistas ao controle estratégico do Atlântico Sul, buscou composição com o governo brasileiro, que autorizou a construção de bases aéreas militares em diferentes pontos do território amazonense. No entanto, a sistematização da frequência dos voos só foi consolidada a partir de 1953, com a instalação do Serviço de Aeronáutica (Saer), composto por um hangar, um avião "Bonanza Beechcraft A 36" e um campo de pouso. A pista oficial ficava localizada onde hoje é o centro da cidade, entre as avenidas FAB e Procópio Rola. O avião foi adquirido com o objetivo de atender com mais rapidez a cobertura dos serviços administrativos do governo e, ao mesmo tempo, auxiliar a população no transporte de medicamentos para o interior ou de pessoas doentes para Belém do Pará. O hangar foi erguido no mesmo terreno onde, atualmente, está instalada a Secretaria de Estado da Infraestrutura. Nos primeiros anos do antigo Território Federal do Amapá, o então governador Pauxi Nunes, convidou o coronel Belarmino Bravo, da Força Aérea Boliviana, para fundar o Aeroclube de Macapá, que desenvolveu, basicamente, atividades na área social e recreativa e, em 1956, criou o curso de piloto de aeronaves. Em 1958, ocorreu a transferência das atividades aeroportuárias do campo de pouso então existente na Avenida FAB para a atual base do Aeroporto Internacional de Macapá.

O aeroporto de Macapá, desde sua criação, está integrado ao desenvolvimento da capital do estado e torna-se estratégico no contexto local devido à criação da Área de Livre Comércio de Macapá e Santana, possibilitando oportunidades de negócios para a economia do Amapá, principalmente, na indústria, comércio e turismo, com foco nas relações com a América Central, América do Norte e a Europa, viabilizadas pelas vias de acesso aéreo e fluvial (rios Amazonas, Oiapoque, Jari, Araguari e Maracá).

Em suas dependências existem obras de artes em exposição permanente, tais como um busto em bronze em homenagem a Coaracy Monteiro Nunes, primeiro deputado federal pelo Amapá; uma pintura de 9,60 x 2,15m doada pelo autor, Raimundo Braga de Almeida, em 1980, que retrata a capital, vista sob o ângulo principal da Fortaleza de São José, além de um monumento em miniatura da mesma Fortaleza, que serve como convite para conhecer o belo monumento militar construído pelos portugueses no século XVIII.

 

 

 

 

 

 

AddThis Social Bookmark Button